Cinema: Uma breve reflexão

O cinema nasceu através da maravilhosa invenção: Louis e Auguste Lumière no inicio não tinha nada a ver com o que conhecemos hoje em dia. Assim sendo, os primeiros filmes pareciam peças de teatro filmadas e mudas.
Após 30 anos começou a surgir o áudio acompanhado de músicas, narração e diálogos escritos pelos próprios personagens.

O cinematógrafo, máquina inventada em 1895 pelos irmãos Lumière, no Brasil, chegou em 1896, trazida pelo italiano Affonso Segretto. No início do século XX, já estava montado um imenso mercado de entretenimento produzindo pequenos filmes e exibindo para plateias em busca de lazer e diversão.

As evoluções não se limitam ao áudio envolvem as imagens, que inicialmente se apresentavam preto e branco e agora em cores. A qualidade de imagem evoluiu tanto que já conhecemos a tecnologia HFR ( High Frame Rate ou Alta Taxa de Quadros) no filme O Hobbit – A desolação de Smaug que usou uma velocidade de gravação e projeção de 48 quadros por segundo, tornando-se o primeiro filme a fazê-lo amplamente 0,2. Outros cineastas, anteriormente tentaram usar um formato HFR para suas produções, incluindo James Cameron na sequência que está se preparando para Avatar 3.

 

o-hobbit-critica1

 

Ao sentar-se naquela poltrona confortável, comprar aquela pipoca quentinha e o refrigerante gelado às luzes se apagam. O expectador se teletransporta a um mundo que contempla diversos gêneros ação, ficção cientifica, fantasia, romance, comédia, terror, horror entre muitos outros.

Os filmes nos causam uma sensação, opinião, um senso crítico, variante em cada ser e também pode contribuir para uma grande ideia. De acordo, com Federico Fellini o cinema é o modo divino de contar a vida. Essa menção que dizer que o cinema é uma das formas culturais de despertar a reflexão de um ou vários segmentos sociais, que podem identificar na tela sua própria realidade, pois têm narrativas com o poder de te envolver pois você se vê naquela história por já tê-la vivido ou por querer vive-la.

O termo sétima arte foi dado ao cinema por ser considerado a arte mais completa, pois o mesmo abrange música (som), pintura (cor), Escultura (volume), Arquitetura (espaço e tempo), literatura (palavra) e coreografia (movimento) o italiano Ricciotto Canuto teve essa percepção nomeado assim, o cinema como a sétima arte. Sendo visto como uma arte, uma indústria e uma forma de entretenimento.

Existem muitos prêmios para reconhecer talentos do cinema como, por exemplo, Globo de Ouro (USA), Palma de Ouro (França), grande prêmio do cinema brasileiro (Brasil), e o principal: O Oscar.

As produções brasileiras passaram por uma melhoria significativa, porém os filmes que marcaram época continuam sendo os americanos. No ano de 2014, os franceses apresentaram boas pedidas como “Azul é a cor mais quente”, “Jovem e Bela” e “Le Passé”. A indústria que fatura milhões, não se resume aos longas, pois curtas-metragens também passaram a ganhar o seu espaço em festivais regionais e inspirar filmes de sucesso como “Mama” do Guilherme Del Toro.

O cinema continua sendo uma ótima pedida para as famílias, casais e amigos que querem um programa que propõe se teletransporta a um mundo novo.

“Cinema não é para entreter, é para fazer sonhar”
Wim Wenders

SHARE
Andreza Nunes
Nascida em Recife, jornalista por formação, adoro ensinar e trocar conhecimento. Acredito que o cinema é uma arte enriquecedora que pode promover reflexões, mudanças e propiciar a fuga da realidade.