Cobertura: Cine PE 2018 – 1ª Dia

Cine PE 2018

Na última quinta-feira (31) aconteceu a abertura do Cine-PE que foi adiado por uma semana devido aos últimos acontecimentos do país. A noite começou com o lançamento do livro “Histórias do Cinema de Animação em Pernambuco” do autor Marcos Buccini.

A edição 25ª do festival recebeu um total de 503 filmes e isso ressalta a sua credibilidade por parte dos cineastas. A mostra competitiva de curtas-metragens Pernambucanos começou com duas animações, “Dia-Um de Natália Lima” e “O Consertador de Coisas Miúdas”.

Seguindo com os curtas nacionais, assistimos “Marias” (RJ), que foi o grande destaque da noite com a presença da diretora Yasmin Dias, que no filme contou a história de sua própria mãe que foi assassinada por seu ex-marido. Logo depois tivemos “Sob o Délirio de Agosto” (PE), que se passa nos anos 80 e conta a história de Severo que sofre de esquizofrenia, mas nem ele e nem as pessoas ao seu redor sabem lidar com a sua doença. E por fim, para fechar a mostra competitiva, foi exibido “Abismo” (RJ) de Ivan de Angelis, que fala sobre a rotina de quem vive para o trabalho e não consegue sair da sua rotina.

A homenageada da noite foi a Kátia Mesel, cineasta e artista gráfica brasileira premiada internacionalmente. Ela foi a primeira diretora do estado de Pernambuco e a primeira a participar de uma Festival de Cinema no Brasil.

Kátia começou a carreira com “El Barato” em 1972, “Folia e Carnaval” em 1973 e “Bumba meu Boi” também em 1973 e, desde então esteve por trás de vários projetos como “Frevo Mulher” (1975), “Memória Viva – a Trajetória de Aloísio Magalhães” (1986), “Eu vi o mundo – Ele começava no Recife” (1994), e o premiado, “Recife de Dentro Para Fora” (1997) que venceu 26 prêmios em festivais nacionais e internacionais, entre eles, o de melhor fotografia no Festival de Gramado e o de melhor documentário no Festival Internacional de Curta Metragem de Bilbao, na Espanha.

Para encerrar a noite, aconteceu a exibição dos filmes “Hors Concours”, ou seja, os que não estão concorrendo a premiação. Dentre esses tivemos a animação carioca, “Desculpe, me afoguei”, que é inspira em uma carta encontrada no Mar Mediterrâneo e traz um pouco da realidade difícil de quem pretende sair de seu país devido à pobreza e buscar por uma vida melhor no exterior. Por fim, assistimos na integra a comédia “Mulheres Alteradas”, com Deborah Secco, Alessandra Negrini, Maria Casaevall e Monica Iozzi no elenco, cada uma vivendo uma fase diferente de suas vidas. O filme estreia nacionalmente no dia 21 de junho.

SHARE
Andreza Nunes
Nascida em Recife, jornalista por formação, adoro ensinar e trocar conhecimento. Acredito que o cinema é uma arte enriquecedora que pode promover reflexões, mudanças e propiciar a fuga da realidade.