[Crítica] Life Partners

Será que Susanna Fogel se saiu bem em seu primeiro filme?

life-partners-dvd-cover-36

Life Parntners conta a história de duas amigas, Paige (Gillian Jacobs) e Sasha (Leighton Meester), que estão beirando os seus trinta anos de idade e nunca tiveram um relacionamento longo e estável.

É comum que pessoas fiquem extremamente sensíveis e instáveis quando percebem que estão envelhecendo, nesta época que começamos as nossas “crises existenciais”. Este filme aborda de forma leve todas essas questões, e de uma maneira que não te deixa entediado.

Paige (Gillian Jacobs),é uma advogada que acaba de vencer seu primeiro caso nos tribunais, típica garota bem sucedida , centrada e um pouco controladora.

Sasha (Leighton Meester) é completamente o oposto( eu diria tão oposto que é gay) ela não consegue terminar nada que começa, vive ás custas dos pais com a desculpa de que quer seguir sua carreira musical.

A amizade das duas funciona de maneira bem cômoda para ambas, as duas assistem The Next Top Model juntas, e se divertem com suas amigas, elas estão sempre muito juntas, não é atoa que todos pensam que são um casal. Elas mesmas se tratam como casal.

A homossexualidade nesse filme é abordada de maneira cômica e até estereotipada em alguns momentos, principalmente com as amigas de Sasha, que são hilárias.

As duas vivem arrumando encontros no Tinder e avaliando possíveis pares românticos, até que Paige se apaixona por Tim ( Adam Brody).

rs_560x332-141007152733-1024.life-partners-meester-brody

Vemos então Paige se afastar cada vez mais de Sasha a deixando quase que desamparada, a ponto de fazê-la refletir sobre todas aquelas questões existenciais, aí entra o ponto fraco do longa, infelizmente, essas questões são abordadas muito superficialmente, trazendo a tona o roteiro fraco e com falta de Rumo.

O que definitivamente “salva” o roteiro, são as atuações, em todos os núcleos do filme nós vemos atuações dignas de cada personagem.

O fato de Sasha ser uma pessoa Bagunçada reflete em todos os aspectos de sua vida, tanto no profissional como no amoroso, ela só consegue se relacionar com pessoas com as mesmas capacidades emocionais do que ela.

E Paige herdou de sua mãe sua capacidade de controlar os outros, seja o que seu parceiro irá vestir, ou com quem sua melhor amiga está saindo.

Adam Brody é excelente sendo o nerd cinéfilo que usa camisetas com frases clássicas do cinema.

Susanna Fogel conseguiu sim entregar um filme com uma “certa qualidade”, um filme que não se encaixa em determinados padrões, eu diria que esse filme é um romance com foco não no romance, mas sim na amizade, que transcende qualquer divergência entre as pessoas, aquele velho clichê de que em qualquer tipo de relacionamento, um dos lados terá que ceder.

O filme chega ás telas do cinema brasileiro no dia 17 de setembro e recomendo sim que quem quiser descontrair e dar boas risadas com um humor de cotidiano, vá ao cinema assistir Life Partners.

Trailer do filme:

REVIEW OVERVIEW
Life Partners
SHARE
Apenas um cara vivendo entre palavras, imagens e sons dispostos em composição em uma tela