Projeto Flórida é um filme que consegue alcançar a linha tênue entre a crueza e a poesia da vida real como poucas outras produções cinematográfica conseguiram.

Na história, com a chegada do verão em Orlando, um mundo de aventura e repleto de possibilidades se abre para um grupo de crianças, liderado por uma menina (Brooklynn Prince), de apenas seis anos. Enquanto eles vivem as maravilhas da infância, os adultos ao seu redor lidam com tempos difíceis.

O roteiro tem uma estrutura que foge do formato hollywoodiano do qual estamos tão acostumados e para muitos causará uma certa estranheza à primeira vista, no entanto, não há um só momento em que o filme se torne cansativo, pois ele entrega incríveis cenas de humor e drama embasados em situações reais.

Crítica: Projeto Flórida

A história segue sempre três linhas que se cruzam, em uma delas temos o gerente Bobby (Willem Dafoe), que precisa lidar não só com as confusões e os problemas em gerenciar o local e as pessoas que ali residem, como também exercendo em vários momentos uma figura protetora e paterna paras as pequenas Moone (Brooklynn Prince), Scooty (Christopher Riviera) e Jancey (Valeria Cotto).

Há também a narrativa das crianças, que mesmo com poucos recursos sabem se divertir e usufruir da infância de maneira admirável, vivendo grandes aventuras sem se importar com o local onde vivem, alheios a tudo graças à forte imaginação que possuem.

Para finalizar, temos a luta constante e diária da mãe de gênio difícil (Bria Vinaite), que precisa a todo custo pagar as contas e usa de todos os meios possíveis para alcançar esse objetivo. Essas tramas seguem mostrando nada mais e nada menos do que o cotidiano, mas fluem muito bem nos levando até um poderoso clímax que faz um paralelo de fantasia com o universo da Walt Disney.

No elenco os maiores destaques são Brooklynn Prince, Bria Vinaite e Willem Dafoe com impressionantes e tocante performances.

Dafoe é Bobby, o simpático e esforçado gerente do Castle Magic, lá ele é o herói de todos,  sendo sempre requisitado quando surgem problemas, contudo ele ainda assume um papel de bússola moral para aqueles que ele tenta aconselhar e ajudar com o seu bom coração. Esse é um dos trabalhos mais sensíveis e emocionantes do ator e um dos maiores injustiçados do Oscar de 2018.

Prince é graciosa, divertida e frenética, correndo de um lado para o outro com seus amigos e fazendo diversas brincadeiras que muitas vezes rendem problemas para Bobby, no entanto, ela ainda demonstra compreender bem a natureza dos acontecimentos sombrios do mundo adulto ao seu redor, expondo uma grande sensibilidade e maturidade por suas expressões.

Vinaite interpreta muito bem a mãe de Moone, uma jovem e intensa mulher que precisa lidar com diversas responsabilidades, incluindo as contas de casa e o duro trabalho de exercer seu papel de mãe no intuito de oferecer uma vida estável para a filha. Ela conta com uma forte personalidade e é cheia de impulsividade, o que a faz tomar decisões questionáveis buscando o melhor para sua família. Trata-se de uma personagem bastante complexa e a atriz consegue encarar com muita versatilidade.

Crítica: Projeto Flórida

A direção de fotografia prefere apostar em câmera na mão e ângulos intimistas na maior parte do tempo, porém sempre que possível, optam por acompanhar as ações de cada personagem dando uma experiência vívida através de cada sequência. Suas cores oscilam entre os tons de rosa salmão e azul forte, formando a estética leve e fantasiosa que se conecta com o fato de eles viverem nos arredores de parques temáticos da Disney.

A direção de arte montou cenários realistas, mas que na maioria das vezes ganham um ar grandioso devido ao olhar das crianças, enquanto os figurinos foram muito bem elaborados e combinam com a personalidade de cada um dos personagens.

A direção de Sean S. Baker (Tangerine, 2015), ainda garantiu um bom direcionamento da história com um belo equilíbrio dos tons pesados e leves que o filme carrega, proporcionando uma grande e inovadora experiência para o público.

Projeto Flórida é um belíssimo filme que nos mostra o lado obscuro e humilde da sociedade que mora nos arredores do grandioso parque da Walt Disney e que precisam lutar para sobreviver dia após dia, mas que ainda em meio às dificuldades conseguem encontrar a magia e a felicidade em suas rotinas diárias. Um filme tocante e chocante que merece ser contemplado por muitos, mas que acabou não tendo o devido destaque nas grandes premiações desse ano.


Trailer: 

REVIEW OVERVIEW
Roteiro
9
Direção
10
Atuações
9
Direção de Fotografia
9
Direção de Arte
8
SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.