Após alguns meses de espera podemos enfim conferir mais uma aposta original Netflix, Santa Clarita Diet, série de humor negro criada por Victor Fresco e que teve os dois primeiros episódios dirigidos por Ruben Fleischer de “Zumbilândia” (2009) apresentando doses de comédia, drama familiar e horror onde vemos Drew Barrymore como uma mãe zumbi.

Na trama Joel (Timothy Oliphant) e Sheila (Drew Barrymore) constituem uma vida de sucesso em Santa Clarita com sua filha Abby (Liv Hewson) como corretores de imóveis, no entanto Sheila morre e volta à vida com fome de carne humana, e a partir de agora passarão por diversas desventuras para manter a normalidade e ajudar Sheila com seus novos hábitos, para isso terão a ajuda do nerd e estranho filho do vizinho, Eric (Skyler Gisondo).

A série trabalha dentro de uma sátira bem elaborada do famigerado sonho americano, visado por muitas da população norte americana, onde vemos uma família que conquistou tudo vivendo em Santa Clarita, mas agora terão que lidar com a transformação da mãe em um zumbi de forma não convencional e que foge de clichês do gênero.

Dentro de seus 10 episódios a série caminha pelas desventuras e aprendizados dos protagonistas lidando com a bizarrice de seu novo modo de vida, o roteiro é ágil, elaborado, engraçado, empolgante e cheio de estilo com núcleos bem desenvolvidos entre Sheila e Joel, Sheila com Abby, Abby e Eric, todos os núcleos estão em equilíbrio e vão além do conceito da mãe zumbi, trafegando também por questões de adolescência, amadurecimento, otimismo na vida, e relações familiares entre marido e esposa. A série se desenvolve bem e aos poucos explora sua mitologia e seu drama familiar com comédia de humor negro, dando aos poucos mais e mais detalhes levando a muitas surpresas e um clímax que fará o público implorar por novos episódios imediatamente.

E por mais rico que seja seu texto, é preciso valorizar seu elenco que conseguiu fazer com que alcançasse toda a sua essência e força, pois temos aqui uma escalação formidável de profissionais que tornam essa série inesquecível. Timotht Oliphant, Drew Barrymore, Liv Hewson e Skyler Gisondo entregam um ótimo trabalho e não há do que reclamar.

Drew Barrymore como Sheila faz a mãe que adquire otimismo e uma personalidade impulsiva após ser transformada em uma morta-viva, enquanto Timothy Oliphant com seu Joel, apresenta um sujeito preocupado, nervoso e que tenta a todo custo se adaptar a sua nova vida, mas sempre demonstrando enorme amor e carinho por seus familiares, ambos estão com atuações muito inspiradas e divertidíssimas com uma química incrível entre os dois que nos fazem acreditar em sua relação mesmo com tantas coisas surreais acontecendo.

Liv Hewson interpreta aqui Abby, a filha do casal esperta e rebelde que lida com a situação da melhor forma que pode, sem perder suas convicções, já Skyler Gisondo faz Eric, o filho nerd do vizinho que é a grande fonte de conhecimento na hora de lidar com os problemas ocasionados pela fome incomum de Sheila, aos poucos ambos criam uma relação de amizade que talvez evolua para um romance conforme a história prossiga, e amadurecem um ao lado do outro rendendo uma parceria divertida e com boa química. Há também diversos outros bons atores como Ricardo Antonio Chavira, Richard T. Jones entre outros que cumprem bem seus papéis, mas não são tão desenvolvidos.

A Direção de Fotografia da série cumpre seu papel com louvor. Notamos o uso de cores vivas e fortes que brincam com o conceito da família típica americana feliz, e que torna as cenas violentas e cheias de sangue e tripas ainda mais interessantes, há também ângulos diferenciados em certos momentos que nos lembram Tarantino, e em outros mergulham em uma estética de sitcom, tudo bem dosado e com ótimo ritmo.

A direção de Arte também cumpre seu foco, construindo figurinos que apresentam a realidade desses personagens da alta sociedade do local repletos de cenários que nos colocam dentro desse universo da elite de Los Angeles.

Mas nada disso funcionaria bem se não fosse sua curiosa e divertida trilha sonora, muito bem escolhida que dá charme à “Santa Clarita Diet”, e também a sua direção que apesar de contar com vários diferentes diretores ainda consegue manter seu estilo desajustado, engraçado e empolgante durante a jornada de Sheila, Joel, Abby e Eric pelo universo de zumbis.

Podemos concluir mais uma vez, que a Netflix acertou em cheio em uma produção original, fora dos padrões, com um elenco de primeira, direção e roteiro criativos e muitas reviravoltas em sua primeira temporada, não perca tempo e vá já maratonar, só não aconselhamos que coma enquanto assiste.

REVIEW OVERVIEW
Roteiro
10
Direção
10
Atuações
10
Direção de Fotografia
8
Direção de Arte
9
SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.