Após longos meses de espera, finalmente chega aos cinemas “Turma da Mônica Laços”, um dos filmes nacionais mais aguardados do ano, trazendo a adaptação live action dos icones da infância de muitos brasileiros: Mônica, Cebolinha, Cascão e Magali.

Na trama, o cachorro de Cebolinha desaparece completamente e ninguém parece ter visto nada. Sem conseguir muita ajuda da parte dos adultos, Mônica, Magali e Cascão decidem ajudar o amigo a procurar e resgatar o animal o quanto antes, mesmo que isso envolva uma perigosa jornada pela floresta.

Crítica: Turma da Mônica Laços

Giulia Benite é extremamente carismatica e encanta dando vida a uma Mônica durona, mas que também é dotada de um coração grande. Laura Rauseo oferece ao público diversos comentarios hilarios e expontaneos vivendo a Magali que, assim como nas histórias em quadrinho, está sempre faminta. Gabriel Moreira por sua vez é o mais timido e retraido do elenco mirim, o ator parece demorar um pouco para se habiturar com o personagem, mas quando ele consegue a diversão é garantida. Por fim, Kevin Vechiatto acaba sendo o protagonista da turma nesse primeiro filme, afinal é Cebolinha que conduz grande parte dos desdobramentos da trama e Kevin consegue assumir essa função com tranquilidade.

O elenco adulto coonta com grandes nomes como Rodrigo Santoro, Monica Iozzi e Paulo Vilhena, mas como já era de se esperar, nenhum deles tem uma participação muito grande na história e quem acaba tendo a cena de maior destaque é Santoro como o Louco, brilhando em uma das cenas mais divertidas da produção.

Crítica: Turma da Mônica Laços

Daniel Rezende sai de seu trabalho sensacional que foi “Bingo – O Rei das Manhãs”, repleto de drama e questões complexas como o vício e a exposição midiatica e embarca em um universo totalmente novo, dessa vez com uma tematica infantil e mesmo assim, segue entregando um trabalho exelente, em um filme cativando do começo ao fim.

Outro destaque que merece ser elogiado é o visual vibrante do filme, vizualidado tanto atráves dos figurinos que reverenciam os personagens dos quadrinhos, como pela própria fotografia que transita entre planos abertos e contemplativos com os cenários, até os close-ups que realçam o trabalho do elenco.

“Turma da Mônica: Laços” é um deleite para os fãs dos quadrinhos, independentemente de qual geração você seja, mas como um bom filme que é, deverá agradar até mesmo aqueles que nunca leram as aventuras dessa turma. O filme ainda traz uma participação rápida e super especial de Maurício de Sousa bem aos moldes Stan Lee nos longas da Marvel.


Trailer:

REVIEW OVERVIEW
Roteiro
8
Direção
10
Atuações
8
Direção de arte
10
Direção de fotografia
10
SHARE
Guilherme Soares
Criador e editor da Cine Mundo, diretor, roteirista e crítico de cinema. Viciado em séries, com um carinho especial pela eterna Six Feet Under e Buffy The Vampire Slayer.