A sequência de “Zumbilândia” manteve o grupo carismático de matadores de zumbis do primeiro filme e agora acompanha os personagens se restabelecendo em suas vidas pós-apocalípticas, optando por viverem em um estilo de vida luxuoso em um acampamento na Casa Branca.

Crítica: Zumbilândia: Atire Duas Vezes

Depois que um desentendimento entre Columbus (Jesse Eisenberg) e Wichita (Emma Stone) faz o grupo se separar, Little Rock (Abigail Breslin) foge com Berkeley (Avan Jogia), um cara que ela acabou de conhecer. O grupo então parte para resgatar Little Rock. Ao longo do caminho, Tallahassee (Woody Harrelson) encontra sua partida na forma de uma caçadora de zumbis poderosa chamada Nevada (Rosario Dawson). Esta família improvisada terá que usar todas as suas habilidades e seguir as regras de sobrevivência de Colombo para conseguirem sair vivos.

Columbus (Eisenberg) encontra Madison (Zoey Dutch) em um dia de compras, ela é hilária  e agrega muito no andamento da trama, assim como Nevada (Dawson) que é encontrada em sua morada localizada nada mais, nada menos que em um hotel temático do Elvis Presley.

Crítica: Zumbilândia: Atire Duas Vezes

Podemos dizer que o filme é um road trip em que o roteiro se apoia em diálogos engraçados, irônicos e afiados, deixando claro que a “família” que eles formaram se ama, mas ainda existem as adversidades devido às diferenças de cada um. O uso das regras é mantido, e os zumbis agora podem ser classificados como: os Homers (mais fracos); os Hawkings (mais inteligentes); os Ninjas (mais letais); e o potente T-800. Tudo isso ajuda a proporcionar cenas sanguinolentas e eletrizantes.

Mesmo após 10 anos do lançamento do primeiro filme, Zumbilândia soube fazer muito bem a “receita de bolo” de uma sequência bem sucedida, em que os ingredientes são: manter os personagens, não esquecendo do segredinho de ser fiel a essência de cada um deles, também é necessário incluir novos personagens para adicionar mais sabor a história e ainda para fechar o preparo, trabalhar a evolução dos zumbis para que pudessem apimentar um pouco a trama que é simples, mas funciona muito bem. E é assim que eles entregam um bolo ainda bem saboroso que o anterior. Com certeza os fãs vão se “lambuzar” com “Zumbilândia: Atire Duas Vezes”.

Ah, fiquem até o final, pois há uma cena pós-crédito que é simplesmente icônica.

Trailer:

REVIEW OVERVIEW
Roteiro
7
Direção
7
Atuações
9
Direção de Arte
9
Direção de Fotografia
9
SHARE
Andreza Nunes
Nascida em Recife, jornalista por formação, adoro ensinar e trocar conhecimento. Acredito que o cinema é uma arte enriquecedora que pode promover reflexões, mudanças e propiciar a fuga da realidade.