Entrevista | Fiorella Mattheis e Pedro Morelli falam sobre a série “Rua Augusta”

Rua Augusta, a nova série da TNT, estreou dia 15 de março e aborda a vida noturna paulista na famosa Rua Augusta, conhecida por seus bares e baladas. Entrevistamos a protagonista Fiorella Mattheis e também o diretor Pedro Morelli, sobre a preparação e produção da série. Confira!

Para interpretar a Mika você fez aulas de Pole Dance, como foi o processo de preparação? 

Fiorella: Fiz laboratório na Rua Augusta, conheci mais de 30 garotas de programa e pude conversar e vivenciar o universo delas. Entrevista | Fiorella Mattheis e Pedro Morelli falam sobre a série "Rua Augusta"Quem me preparou para a série foi o Chico Acioly, fizemos pesquisas e ensaios. Fiz aulas de pole dance para aprender o strip com a Natasha Vergílio. Além disse tivemos 3 semanas de ensaio com elencos direção, o q foi muito importante. Quando chegamos no set, estávamos seguros, alinhados e ao mesmo tempo abertos para criar.

Você já tinha tido algum contato anterior com essa dança?

Fiorella: Não, foi a primeira vez e tive 3 semanas para aprender.

Rua Augusta é baseada na série israelense Allenby St, então os personagens precisaram passar por uma adaptação para se encaixar na realidade brasileira, como foi esse processo de adaptação/construção dos personagens? 

Entrevista | Fiorella Mattheis e Pedro Morelli falam sobre a série "Rua Augusta"

Pedro Morelli: O principal foco era adaptar para cultura brasileira. O jeito de pensar e de agir brasileiro são bem diferentes do israelense. A questão moral, a religiosidade, as pequenas corrupções do dia a dia… eram dezenas de pequenos aspectos que fomos implementando, o que acabou deixando nossos personagens bem diferentes dos originais, apesar de estarem inseridos na mesma premissa. 

Li que os atores foram instruídos a não assistirem a série Allenby St, vocês tentaram então se afastar bastante do material original e criar algo praticamente novo? 

 

Pedro Morelli: Não, na verdade, há alguns personagens/atores dos quais gosto muito do acting na versão original, e portanto, optei por seguir uma linha parecida. Mas mostrar isso para os nossos atores seria um grande erro. Seria basicamente dizer: copia esse cara ai. Por isso optei por não mostrar nada da série original para eles. Mas tinha na minha cabeça o que funcionava ou não para cada personagem. 

Qual foi a maior dificuldade em se filmar durante a madrugada?

Pedro Morelli: Em qualquer filmagem é muito puxado fisicamente filmar noturnas. Eu costumo sempre tomar energético para conseguir manter o ritmo a noite toda. No caso dessa série, chegamos a fazer algumas diárias que iam até 8h da manhã. Isso porque queríamos ver o sol nascendo, já que muitos personagens da série têm esse fuso horário em suas vidas. Então alguns dias de trabalho começavam as 20h e ia até as 8h… imagina isso. O mais curioso é que tivemos que nos deparar com os reais doidões da madrugada. Como filmamos na própria Rua Augusta, essas madrugadas eram repletas de visitas de uns caras que estavam saindo de alguma balada, bêbados, e não perdiam a oportunidade de tentar atrapalhar a filmagem um pouquinho. 

Veja também:

Primeiras Impressões “Rua Augusta”

 

SHARE
22 anos, estudante de Jornalismo. Maratonista de séries, apaixonada por cinema e aspirante a fotógrafa.