Guillermo del Toro e André Øvredal falam sobre adaptação de “Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro” em vídeo divulgado da Diamond Films

Contos de folclore e lendas urbanas aterrorizam há séculos crianças e adolescentes do mundo todo. No início dos anos 80, o escritor americano Alvin Schwartz reuniu alguns desses relatos em uma série de livros que marcaram gerações.

Originalmente ilustrado por Stephen Gammell, Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro trazia textos e desenhos tão impactantes que pareciam sair das páginas diretamente para a imaginação dos leitores. Quarenta anos depois, as histórias chegam aos cinemas com produção do vencedor do Oscar, Guillermo del Toro e direção de André Øvredal que, em vídeo divulgado comentam sobre a adaptação do universo de Schwartz e Gammell para as telonas.

Veja abaixo o vídeo:

“A beleza dos livros ‘Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro’ é que eles têm a simplicidade de uma história de acampamento e passaram por três gerações. Eram histórias que me assustavam quando eu era criança e ainda são muito divertidas”, comenta Del Toro. Para Øvredal, “as ilustrações são o que há de mais assustador nos livros. Eu aprendi a ter muito respeito pelo material original e o design das criaturas no filme foi muito fiel ao das ilustrações originais”.

No longa, um grupo de adolescentes encontra um livro sombrio cujas histórias ganham vida e passam a perseguir cada um deles. André Øvredal comenta que o resultado final é uma mistura entre um filme de terror moderno e os filmes mais antigos que ele assistia quando criança e Del Toro completa: “a beleza disso é que os pais podem levar seus filhos para os dias em que eles mesmos liam esses livros”.

Histórias Assustadoras Para Contar no Escuro chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira, 8 de agosto, com distribuição da Diamond Films.

SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.