Logan” acaba de chegar ao cinema honrando esse mutante com um filme que desafia o gênero com muita criatividade e talento, mas nem sempre a jornada de Wolverine foi bem transposta, no cinema ele teve um caminho cheio de altos e baixos que iremos comentar aqui.

 

X-Men (2000)

Na primeira adaptação cinematográfica do grupo de mutantes, Hugh Jackman ganha grande destaque graças ao seu carisma e as falhas humanas de seu personagem, o que fez com que ele se tornasse querido pelos fãs, e também garantisse o grande sucesso para a franquia da Fox dirigida por Bryan Singer.

X-Men 2 (2003)

No segundo filme da franquia em meio a uma aventura recheada de ação com Magneto e Xavier lado a lado contra o Governo americano nós desvendamos o passado de Wolverine com William Stryker e suas relações humanas são aprofundadas, tanto as que possui com os jovens da escola como Bobby e Vampira, como as relações complexas que tem com Magneto, Xavier e Jean Grey.

X-Men: O Confronto Final (2006)

Na conclusão da primeira trilogia dos mutantes eles enfrentam o perigo da Fênix que acaba dividindo o grupo entre aqueles que apoiam, e os que são contra a cura. Trata-se de um dos filmes que mais dividiu seu público com roteiro fraco mas com boa ação, mais uma vez Wolverine ganha ainda mais espaço liderando os mutantes e protagonizando uma das cenas mais épicas da franquia quando tem que dar um fim aos poderes da Jean Grey e mais uma vez Logan precisa encarar seu sofrimento e dor.

X-Men Origens: Wolverine (2009)

Graças a grande popularidade e sucesso que o personagem e a franquia alcançaram era questão de tempo até optarem por produzir um filme solo do Carcaju favorito de todos, no entanto o resultado não podia ter sido pior. Aqui vemos a origem de Wolverine como irmão do Dentes-de-Sabre e a história de como ele ganhou o Adamantium através do projeto secreto Arma X. Com péssimo roteiro, excesso de personagens, más atuações, efeitos de CGI forçados, e infiel aos quadrinhos essa pérola entra para o panteão de piores filmes adaptados de quadrinhos já feitos até hoje e contribuiu para afundar a franquia dos X-Men e do Wolverine por alguns anos.

X-Men: Primeira Classe (2011)

O reboot da franquia que marca a retomada do universo com uma releitura de quadrinhos clássicos e uma história de prólogo focada em Charles Xavier e Magneto quando ainda eram jovens, foi um grande sucesso e trouxe o retorno do amado mundo desses seres, aqui a participação de Jackman se limita a uma curiosa e bem divertida cameo no meio do filme, que vale muito a pena ver.

Wolverine Imortal (2013)

Após os eventos de “X-Men: O Confronto Final”, Logan se isola do mundo vivendo como um animal em uma floresta, no entanto um antigo amigo da guerra lhe convida para ir ao Japão onde ele cai em uma armadilha, perde seu fator de cura e se vê cercado de inimigos por todos os lados. Um filme razoável que acerta em boa parte da história, com boa ação e mais uma ótima performance de Jackman no papel, no entanto o longa ainda não possui toda a violência que as histórias solo dele precisam, além de tomar escolhas exageradas e estapafúrdicas de roteiro em seu ato final que estragam o material produzido até aquele momento.

X-Men: Dias de Um Futuro Esquecido (2014)

No segundo filme da nova trilogia dos mutantes, durante os anos 70 Bolivar Trask cria “Os Sentinelas” robôs que causarão um futuro sombrio para os mutantes caçando e prendendo os cada um deles, para impedir isso Logan volta no tempo onde deverá fazer com que Magneto e Xavier resolvam suas diferenças e juntos impeçam o projeto dos Sentinelas antes que o futuro esteja perdido para sempre. Wolverine tem um papel fundamental como ponte entre a equipe nova e a velha e com isso retoma o foco nesse filme, onde divide várias cenas com Charles Xavier e Magneto nesse que é um dos filmes mais elaborados e épicos da franquia até hoje.

Logan (2017)

E assim chegamos ao novo filme de Hugh Jackman, “Logan”. Na trama situada em 2029, Logan está envelhecido e com fator de cura enfraquecido caminhando por um mundo pós-apocalítico acompanhado de Charles Xavier que agora sofre de Alzheimer, juntos devem ajudar e proteger Laura Kinney das mãos do mercenário Donald Pierce e seu grupo de super-soldados. Esse filme retoma as constantes dores e sofrimentos do personagem, mas lhe dá o devido destaque e conseguem trabalhar seu drama humano expondo toda a violência latente no herói. Esse é com certeza o primeiro filme fiel da franquia a fazer jus ao material dos quadrinhos e com a melhor atuação de Jackman, um filme inspirador que entrará para a história e mudará a forma como vemos as adaptações do gênero.

Ao longo de todos esses filmes no período de 17 anos, totalizando 8 longas, acompanhamos Hugh Jackman personificar diversas versões diferentes do icônico herói fumante de charutos e habilidoso com suas garras de adamantium afiadas além de ser dono de uma personalidade carismática e mal-humorada que fez com que ganhasse fãs de todo mundo tanto de leitores quanto de não leitores.

SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.