Zootopia foi uma das melhores obras dos últimos anos, e isso se deve a criativa e elaborada visão de seu roteiro, escrito por Jared Bush e Phil Jonhston que acerta nos mínimos detalhes ao entregar uma obra cheia de belas mensagens positivas sobre preconceito e compreensão dentro de uma narrativa aventureira de investigação policial.

Ao longo do filme nós acompanhamos a jornada da jovem otimista e sonhadora coelhinha Judy Hopps que fará de tudo para realizar seus sonhos na cidade de Zootopia como uma policial, seu caminho acabará fazendo com que assuma a investigação do desaparecimento do marido da Sra. Lontroza mas para prosseguir sua investigação precisará dos auxílios da raposa Nick Wilde, um malandrão que está sempre planejando alguma forma de se dar bem, mas tudo dentro da lei para infelicidade de Hopps.

Os escritores conseguiram criar todo um universo à parte, que variando de acordo com a proposta e a história poderia ou não ser bem aproveitado, afinal Zootopia se desenrola em uma cidade composta de diversos ambientes em diferentes temperaturas e estilos, o trabalho dos responsáveis pela história é saber lidar com esse mundo tão rico com uma trama que pudesse trafegar por ele, mesmo com tantas outras animações lançadas depois nenhuma conseguiu transpor uma sensação tão grande de estarmos vivenciando um mundo de tal tamanho, sem jamais se desviar muito da história principal de Nick, o mundo entra complementando como forte elemento da narrativa.

Agora o segundo fator que determina as qualidades desse roteiro é a inteligência e a delicadeza em desenvolver assuntos sérios e pesados sobre racismo e preconceito de forma real e sensível sendo captada tanto por adultos como por crianças, ao longo da produção aos poucos entendemos que as aparências podem enganar a muitos, e que existe muito além daquilo que vemos ou julgamos ver, tudo isso é muito bem dosado aos poucos em Zootopia evidenciando a qualidade de sua escrita.

Agora o terceiro e grande fator está em utilizar uma linguagem incomum de aventura e investigação policial, dialogando com filmes e séries de TV conhecidas do mundo adulto, mas dentro de um tom leve e infantil, além de temperar com várias divertidíssimas referências que vão de Breaking Bad até Poderoso Chefão, entre várias outras.

E por último e não menos importante está o carisma e a evolução dos personagens de Nick e Judy demonstrando às poucos facetas dificilmente vistas em animações, repletas de profundidade e sentimentos tão humanos e reais que nos fazem refletir muito sobre nosso mundo e sobre coisas que acontecem que traçam paralelos com a vida real tão bem montados e questionadores que nos farão pensar por muitos anos ainda, mas as qualidades não param por aí pois a relação de evolução de seus protagonistas nos divertem e nos inspiram a cada minuto, com uma delicadeza e toque muito especial.

É com criatividade, riqueza, mensagens profundas, e uma linguagem diferente dotado de referências a cultura pop que Zootopia se consolida como um dos grandes sucessos da produtora e um dos principais concorrentes que podem impedir “Moana” de levar o Oscar de Melhor animação esse ano.

SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.