Por Onde Andam? – O Elenco de Jogos Mortais (2004)

Tobin Bell

Tobin Bell é o grande John Kramer, mas o ator trabalha na indústria desde meados dos anos 80, onde teve o seu primeiro papel em “Mississippi em Chamas” (1988), e viveu um agente do FBI. No entanto, em Jogos Mortais ele esteve presente em todos os filmes, e sem dúvidas, também deve muito de sua carreira à essa franquia. O ator ainda trabalhou em outros filmes de terror como, “Casa Escura” (2014) e “A Boneca do Mal” (2015), e no ano passado ele esteve no papel de Blackbird no filme “Manson Family Vacation”. Além disso, essa semana, Tobin retornou aos cinemas em “Jogos Mortais: Jigsaw”.

 

Leigh Whannell

Sem dúvidas o trabalho mais famoso de Leigh Whannell foi em “Jogos Mortais”, onde ele colaborou no roteiro, e como amigo de James Wan, ele também trabalhou no curta que originou a franquia, além de ter interpretado Adam no primeiro filme. O ator seguiu fazendo pequenas aparições em Jogos Mortais II e III, além de ter se juntado a James Wan novamente em “Sentença da Morte” (2007), vivendo o personagem Spink, e retomando a parceria em “Gritos Mortais” (2007), dessa vez como roteirista. A união dessa dupla seguiu forte, inclusive em “Sobrenatural”, onde Leigh ficou responsável pelo roteiro dos três primeiros filmes, e também do novo que chega no próximo ano. Em 2018, um de seus projetos é o terror “Stem”, no qual ele escreve e dirige, além de “Sobrenatural: Capítulo 4” que deve chegar aos cinemas brasileiros em janeiro.

 

Cary Elwes

Cary Elwes esteve presente no primeiro filme de “Jogos Mortais” interpretando o Dr. Lawrence Gordon, sendo que a sua atuação lhe rendeu uma indicação ao MTV Movie Awards de Melhor Performance Assustada. O ator também participou do que seria o último filme da franquia, “Jogos Mortais – O Final” (2010). Elwes teve uma carreira bem ativa e praticamente trabalhou em um filme por ano, incluindo longas como: “Twister” (1996), “Uma Garota Encantada” (2003) e “Sexo Sem Compromisso” (2011). Nos últimos anos, Cary tem dedicado a sua carreira em séries de tv, como “Life in Pieces”, na qual viveu o Professor Sinclair Wilde, e na mais recente, “Workaholics”, fazendo uma participação especial em um episódio.

 

Danny Glover

Danny Glover esteve envolvido em “Jogos Mortais” na pele do detetive David Tapp. A sua carreira como ator lhe rendeu um prêmio na categoria de Melhor Ator no Independent Spirit Award, por “Não durma de Nervoso” (1990), e em 1992, ele também ganhou o prêmio na categoria de Melhor Equipe por “Lethal Weapon 3” no MTV Movie Awards. O ator ficou conhecido por suas atuações em “Predador 2” (1990) e na série “Máquina Mortífera” (1987). Os últimos trabalhos de Glover foram em “Consumed” (2015), um drama que faz uma crítica social muito forte e foi muito bem avaliado pelos críticos, porém não teve lançamento nos cinemas brasileiros, além de “Encurralados” (2007), lançado no ano passado.

 

Shawnee Smith

Shawnee Smith é atriz, e também cantora na banda “Fydolla Ho”, em sua carreira ela conta com trabalhos tanto no cinema como na televisão. O seu papel de maior destaque foi o de Amanda Young em “Jogos Mortais”, ela interpretou a sobrevivente do jogo que permaneceu na franquia até o sétimo filme, mesmo em flashbacks. Seu último trabalho nos cinemas foi em 2012, no filme “Jayne Mansfield’s Car” no papel de Vicky Caldwell. Já na televisão, Shawnee permaneceu na série “Tratamento de Choque” de 2012 à 2014, vivendo a personagem Jennifer Goodson.

 

Michael Emerson

Michael Emerson participou do primeiro filme de Jogos Mortais, mas o seu grande papel de sucesso foi no seriado “Lost”, interpretando Benjamin Linus. O ator chegou até a ganhar um Emmy do Primetime como Melhor Ator Convidado em Série Dramática por “O Desafio” (2001) e um outro Emmy do Primetime de Melhor Ator Coadjuvante em Série Dramática por “Lost” (2009), ele também participou de “Arquivo X” e “Law Order: Criminal Intent”.

SHARE
Andreza Nunes

Nascida em Recife, jornalista por formação, adoro ensinar e trocar conhecimento.
Acredito que o cinema é uma arte enriquecedora que pode promover reflexões, mudanças e propiciar a fuga da realidade.