A segunda temporada da prestigiada série, “Westworld” estreia hoje (22), às 22h na HBO e nós já conferimos o primeiro episódio do retorno grandioso dessa obra-prima da ficção cientifica.

Se na primeira temporada, Westworld funcionou para situar seu público diante de sua narrativa detalhista e contemplativa, algo que de início soou até arrastado para alguns desavisados, aqui, em seu retorno, temos essa mesma estética entrelaçada com um roteiro mais ambicioso e que está pronto para correr riscos em prol de uma história mais ousada e grandiosa.

Westworld

O episódio começa com um prólogo que levanta infinitas incógnitas na cabeça do público, oferecendo mais perguntas do que respostas, mas rapidamente a história volta para a sua linearidade e acompanhamos o desenrolar da rebelião iniciada no season finale da primeira temporada. Maeve (Thandie Newton) e Dolores (Evan Rachel Wood) estão totalmente no controle, não somente do caos, como da série. Tudo deixa claro e explicito o protagonismo das duas.

O grande charme da história está em sua ambição, ou melhor, na ambição de seus personagens. Dolores e Maeve estão prontas para recuperarem o tempo perdido e dominarem, não só Westworld, como o mundo.

Bernard (Jeffrey Wright) e o Homem de Preto (Ed Harris) ganham novos rumos depois dos eventos da temporada anterior, enquanto personagens mais secundários como Charlotte (Tessa Thompson), Hector (Rodrigo Santoro) e Lee (Simon Quarterman) prometem uma participação mais efetiva esse ano.

O roteiro brinca bastante com a linha do tempo da série e deverá continuar explorando esse recurso nos próximos episódios, portanto prepare-se para acompanhar acontecimentos do passado e do futuro com um contraste bem sutil, algo semelhante ao que foi feito em American Crime Story: The Assassination of Gianni Versace. 

Se por um lado temos uma história revigorada e com muito folego, do outro flertamos com o excesso de tramas paralelas, algo que já era comum na temporada anterior, mas aqui parece que será até maior, deixando a série volumosa como uma novela, mas complexa e inteligente como uma boa ficção. O difícil é manter a atenção em todas as histórias que ocorrem simultaneamente.

Portanto, podemos dizer que “Journey Into Night”, o episódio de abertura da temporada, consegue restabelecer a história depois do final avassalador do ano anterior, contando com atuações afiadas de seu elenco talentoso e um roteiro inspirado em nos deixar delirando com teorias durante a espera pelo próximo episódio. Resta apenas saber e, torcer, para que a série não se perca no meio de tantos personagens com motivações e caminhos distintos.


Trailer: