[Resenha] As Crônicas de Nárnia: O Cavalo e seu Menino

Titulo: O Cavalo e seu Menino (As Crônicas de Nárnia)
Autor: C. S. Lewis
Gênero: Fantasia/ Ficção
Editora: Wmf Martins Fontes
Páginas: 180

 

 

Após um livro recheado de aventuras vividas pelos irmãos Pevensie em “O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa”, aqui eles funcionam agora apenas como pano de fundo da história, em um momento no qual os quatro irmãos são os atuais reis de Nárnia, e a trama passa a acompanhar o jovem Shasta.

Logo no inicio já começamos a ganhar uma dimensão maior desse universo, que agora mostra que Nárnia é apenas um país rodeado de outras terras. Shasta é um jovem que foi criado em Calormânia por um pescador abusivo, que sempre que podia usava de sua mão de obra de forma imprudente, certo dia esse pescador resolve vender Shasta como um legitimo escravo, e antes que isso aconteça o garoto foge da cidade. Em meio a fuga ele se depara com um cavalo falante que havia sido sequestrado e agora está tentando voltar para sua casa em Nárnia.

Shasta então se une ao cavalo e viajam rumo a Nárnia, país esse no qual não há escravidão e todos vivem em perfeita paz e harmonia, diferente do lugar de onde eles vieram.

O maior problema nessa obra é em relação as suas descrições. O povo de Calormânia é descrito com diversas semelhanças entre a população do oriente médio, criando semelhanças com as histórias bíblicas fortemente embasadas por C. S. Lewis, no entanto o tal manuseio desse esteriótipo não só funciona de forma negativa para as crianças leitoras, como também empobrece a trama.

Problemas a parte, o livro acerta em cheio na hora de proporcionar doses de nostalgia aos leitores das obras anteriores. Os irmãos Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia agora adultos, juntos governam Nárnia de forma que podemos acompanhar como cada um deles amadureceu com a passagem dos anos, e como as personalidades distintas de cada um funciona perfeitamente na hora de manter o país em harmonia.

“O Cavalo e seu Menino” pode não trazer toda aquela empolgação de quando acompanhamos os irmãos adentrando a aventura no livro anterior, mas ainda assim é uma obra rica em detalhes, que acima de tudo nos da um parâmetro maior acerca desse mundo abitado por diversas especies e com realidades tão distintas entre si.

REVIEW OVERVIEW
Nota
SHARE
Guilherme Soares
Criador e editor da Cine Mundo, diretor, roteirista e crítico de cinema. Viciado em séries, com um carinho especial pela eterna Six Feet Under e Buffy The Vampire Slayer.