[Resenha] As Crônicas de Nárnia: Príncipe Caspian

Titulo: Príncipe Caspian (As Crônicas de Nárnia)
Autor: C. S. Lewis
Gênero: Fantasia/ Ficção
Editora: Wmf Martins Fontes
Páginas: 180

 

 

Se em “O Cavalo e seu Menino” Nárnia foi descrito como um lugar maravilhoso, onde a liberdade prevalecia, os animais e a natureza conviviam em harmonia e tudo era pacifico, aqui em “Príncipe Caspian” a trama muda de contexto e torna-se uma antítese ao livro anterior.

Um ano após a saída de Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia, Nárnia mudou completamente e foi piorando gradativamente, agora no ápice de sua degradação, o pais está prestes a iniciar uma guerra civil desencadeada por um governo inlegitimo.

1 ano no nosso mundo equivale a 1300 anos em Nárnia

Miraz, tio de Caspian é o atual rei de Nárnia e o grande responsável por todo o caus que tem se estendido. Para recuperar o seu lugar, Caspian decide chamar os irmãos Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia para juntos retomarem o trono.

Diferente das obras anteriores, essa é uma que definitivamente coloca os grandes momentos de ação de lado, e foca em contextualizar um cenário que é, acima de tudo, politico. Claro que C.S.Lewis permanece com a sua linguagem acessível perante ao público infantil, mas ainda assim consegue explorar problemas intrigantes referentes a gestão do falso rei, Mirax.

É maravilhoso aqui encontrar os quatro irmãos novamente como o centro da história, apesar do conflito girar em torno da luta do Príncipe Caspian, ainda conseguimos ver Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia caminhando juntos em um novo desafio, retomando todo o carisma desse quarteto que nos fisgou no segundo livro da coleção.

“Príncipe Caspian” é uma das obras mais lentas até aqui, diferente das obras anteriores, esse coloca a ação de lado e escolhe aprofundar melhor os personagens e contextualizar os problemas políticos desse universo mágico.

REVIEW OVERVIEW
Nota
SHARE
Guilherme Soares
Criador e editor da Cine Mundo, diretor, roteirista e crítico de cinema. Viciado em séries, com um carinho especial pela eterna Six Feet Under e Buffy The Vampire Slayer.