Sandman, de Neil Gaiman (1989-1996)

SandmanBem vindo senhoras e senhores a mais uma fantástica noite de entretenimento aqui no clube do inferno,sou seu anfitrião choronzon alto duque do 8º círculo,capitão da horda do lorde beelzebub,esta noite pra seu divertimento e deleite um desafio formal

-Então você conhece as regras sonho,se ganhar leva o elmo e se perder será nosso escravo por toda eternidade

-Sim eu entendo

-tudo bem eu começo então,sou um lobo assassino devorando sua presa

-Sou um caçador de lobos montado a cavalo

-sou uma mosca que pica o cavalo e e derruba do caçador

-sou uma aranha devoradora de moscas

-sou uma cobra comedora de aranhas

-sou um boi esmagador de cobras

-sou uma bactéria…uma bactéria destruidora de vidas

-Sou um mundo no espaço nutrindo a vida

-Sou uma super nova explodindo cremando planetas

-Sou um universo abraçando todas as coisas ,todas as vidas

-Eu sou a anti vida,a besta do julgamento,eu sou a escuridão no fim de tudo, o fim do universos,deuses,mundos …de tudo,e o que você é então mestre dos sonhos ?

EU SOU A ESPERANÇA.

Para começar a analise sobre Sandman é importante retomar alguns aspectos da era de ouro das graphic novels adultas ,assim como Gaiman um outro autor que esteve neste período fora o escritor de piada mortal ,Watchman,a liga extraordinária,v de vingança,o monstro do pântano e por fim neonomicon,Alan Moore foi um dos principais influenciadores para que Sandman fosse publicado,ele influenciou um período um tanto atribulado pelo fato da transição de ideias entre HQ’s infantis e adultas serem um tanto cruas naquela época,Neil Gaiman viu em Alan Moore uma quebra de padrões da sociedade ,pois já havia tido uma experiência com as revistas Pulp ,ao qual adotava a violência como o único propósito humano.

Gaiman começara a pensar em um épico ao qual ,mistura amor,ódio ,filosofia ,ocultismo ,misticismo,melancolia ,realidades paradoxais. É legal perceber que o ambiente é propício para interações filosóficas ,ele atribui metáforas quanto a vagacidade do ser humano ,sobre o quão é dirigido uma realidade multiversa em nossa cabeça,como as ideias ainda não produzidas estão armazenadas na mente de cada indivíduo gerando um conflito interpessoal.

Os sonhos muitas vezes perturbam o sentido humano e deveras um estado de pequenos fragmentos de algum lugar e vestígios da nossa realidade ,os sonhos são essa mescla que determina o que é palpável para a sanidade humana,o ambiente que proporciona a filosofia é um meio esclarecedor de como funciona os devaneios á arte do sonhar,pois cada ato revela um estado um tanto delirante.

Sandman é um ser celestial que ronda os sonhos e protege ,em meio filosófico ele se intitula “o sonhar” pelo fato dele ser um dos perpétuos, Destino, Morte, Sonho, Destruição, Desejo, Desespero e Delírio, todos entidades além, responsáveis pelo ordenamento da realidade conhecida. Só sua existência mantém coeso o universo físico e todos os seres vivos.s vezes parece insensível, outras meditativo ou irado, mas invariavelmente melancólico. Já seu lado mais racional está sempre ciente de suas responsabilidades, tanto para com as pessoas comuns, quanto para aqueles de suas terras. Compartilha de uma ligação recíproca de dependência e de confiança com sua irmã mais velha, a Morte. Apesar de obscuro, talvez por ter de conviver com a imaginação e os desejos reprimidos de todos os seres vivos que libertam suas mentes em seu reino, ele se esforça vigorosamente em compreender sua própria natureza e a dos outros perpétuos.

dringerberg-sandman-8No primeiro arco (Prelúdios e Noturnos) Sonho relata sua captura por um mago chamado Roderick Burgess, em 1916. Ele permaneceu aprisionado numa redoma de vidro durante cerca de setenta anos antes de conseguir se libertar. Nos números seguintes ele retorna ao Sonhar e encontra seu reino em um estado de profunda decadência. Para restaurar o Sonhar, Sonho parte em busca de suas ferramentas – três objetos que contem parte de seu poder. A algibeira estava na posse de uma amiga de John Constantine, o elmo na posse de um demônio e o rubi nas mãos de John Dee, o Doutor Destino.

Em prelúdios e noturnos percebe-se um tom querendo emergir já estabelecendo seu espaço no mundo,Sandman aparece já criando um rebuliço em busca de suas posses e criando um lugar onde seu reino está em pura putrefação e as pessoas começaram as serem afetadas pelo fato da falta do devaneio em sua vida e o distúrbio do sono foram causados pela prisão de Morfeu,isso mostra como as pessoas necessitam de uma dose mínima de sanidade.

No segundo arco (Casa de Bonecas) Revela-se mais sobre as relações entre os Perpétuos e os seres humanos. A primeira revista do arco intercala acontecimentos simultâneos na Terra e no Sonhar. Na Terra é mostrado o encontro entre Rose Walker e Unity Kinkaid, que lhe revela ser sua avó. A mãe de Rose nasceu quando Unity estava em coma (ela foi vítima de um dos muitos distúrbios do sono motivados pela prisão de Sonho). No Sonhar, Sonho começa a restaurar seu reino, ordena um recenseamento dos habitantes e se prepara para combater a ameaça iminente do surgimento de um vórtice: um vórtice é uma pessoa que surge a cada era, capaz de romper as barreiras do Sonhar, e por isso mesmo perigosa demais para ser mantida viva. O vórtice dessa era é Rose Walker.

Casa de boneca são mostradas como são os perpétuos criam seus mundos e como é a interação que esses seres proporcionam ,como o delírio relaciona pequenas posições entre a realidade dos mundos e o vago ,deixando confusões pré estabelecidas para causar a loucura,o desatino.

O terceiro arco (Terra dos Sonhos) é formado por histórias sem relação entre si. A primeira história se chama Calíope, nome de uma das nove musas da mitologia grega, mais especificamente a que inspirava a poesia épica. A história começa com ela aprisionada há décadas por um escritor ambicioso que, após anos de sucesso editorial e se valendo de abusos sexuais e da escravidão de Calíope, resolve entregar sua posse para um escritor mais jovem. Sonho sente compaixão por Calíope, em grande parte por ele próprio ter sido prisioneiro dos mortais, e faz com que seja libertada. Nessa história revela-se que Sonho e Calíope tiveram um filho de nome Orfeu. A segunda história (Um Sonho de Mil Gatos) é uma das mais curiosas de Sandman. Toda contada do ponto de vista dos gatos, é centrada na figura de uma espécie de profeta felina, que conversou com Morpheus durante um sonho.

A gata buscava respostas sobre porque os humanos haviam matado seus filhotes. Sonho explica que os motivos dos homens eram ininteligíveis e em seguida relata sobre uma era em que os gatos eram senhores dos homens, que então não passavam de animais pequeninos. Esta era teria acabado quando um homem visionário conseguiu convencer vários homens a sonhar um mesmo sonho: o de um mundo em que eram senhores e não presas. Quando conseguiu isso a realidade se tornou qual os homens sonharam, e de forma tão profunda que mesmo o passado mudou, de forma que o homem sempre houvesse sido a raça dominante. Ao saber disso a gata se dedica a unir sua raça, fazendo com que os outros gatos voltem a sonhar com uma era em que eles reinassem tranquilos.

Na terceira história – Sonho de uma Noite de Verão – William Shakespeare apresenta essa peça pela primeira vez e para uma plateia formada por criaturas de Arcádia, a terra das lendas habitada por personagens da ficção. Shakespeare teria escrito a peça baseando-se nesses mesmos personagens, que ele conheceu durante uma viagem arranjada por Sonho (o trato entre os dois é brevemente abordado na história “Homens de Boa Sorte). Em troca da viagem, Sonho encomendou a Shakespeare duas peças, sendo Sonhos… a primeira. A outra seria “A Tempestade”, mas será abordada mais tarde.

O quarto arco de histórias (Estação das Brumas) é um dos mais impressionantes. Conta a história da ida de Sonho ao Inferno, para resgatar sua ex-amante, Nada. Ao chegar ao Inferno, disposto a uma luta de vida ou morte, descobre que Lúcifer está abandonando seu domínio. Após uma grande conversa entre os dois, onde Lúcifer faz várias confissões (inclusive lhe diz que pretende morar na praia e ser um pianista de jazz em um bar na Terra) ele dá ao Lorde Moldador a chave do Inferno e pede para lhe cortar as asas. A partir disso o Sonhar começa a receber a visita de todas as divindades conhecidas em busca da chave do senhor dos Sonhos. Uma maldição que nem o senhor dos sonhos poderia imaginar que seria tão terrível.

O quinto arco (Espelhos Distantes) É composto de histórias desconexas entre si ele introduz Orfeu, filho de Sonho, na história e mostra a participação do lorde dos sonhos nos caminhos do império romano, ele se encerra mostrando um jogo muito curioso entre os perpétuos.
No sexto arco (Um jogo de você) Barbie, uma nova iorquina divorciada, viaja para o mundo mágico que ela já havia habitado uma vez em seus sonhos, para descobrir que este mundo está sendo ameaçado pelas forças do Cuco. Esta série introduz a personagem Thessaly, a qual exercerá um papel importante no destino de Morpheus.

Já no sétimo arco (Fábulas e Reflexões) temos uma coleção de pequenas histórias que se dão na história de Morpheus, sendo a maioria delas publicadas originalmente antes e depois do quinto arco de histórias. Quatro lidando com reis e comandantes, foram originalmente publicada sob o título de “Distant Mirrors”, enquanto outras três, que detalham os encontros entre vários personagens, foram publicadas no arco Convergências. Fábulas e Reflexões também traz um especial de Sonho, publicado originalmente como uma história independente, que assimila o mito de Orfeu aos mitos de Sandman.

amos-delirio

No oitavo arco (Vidas Breves) Delírio, a irmã mais nova de Sonho o convence a ajudá-la a encontrar seu irmão perdido, conhecido como Destruição dos Perpétuos, que abdicou de seu lugar na família trezentos anos antes.
No nono arco (Fim dos Mundos) Viajantes de todos os tempos ficam presos no vórtice de uma tempestade da realidade, do mito e da imaginação e acabam convergindo em uma misteriosa estalagem. Na tradição de “Contos de Canterbury”, de Chaucer, eles esperam a tempestade passar contando histórias.

No décimo arco (Entes queridos) Impossíveis de serem detidas em sua missão de vingança, elas não parariam antes que o crime que desejavam punir fosse vingado e limpo com sangue. As pessoas assustadas as chamavam de Bondosas ou Fúrias. Agora, Sonho dos Perpétuos, seus amigos e sua família se encontram presos em uma sombria conspiração. E alguém irá morrer.

No décimo primeiro arco (Despertar) Deuses antigos, velhos amigos e inimigos se reúnem para prestar um tributo e para recordar, no velório mais estranho que já existiu. E, no final de sua vida, William Shakespeare cumpre sua parte em uma estranha barganha.

Por fim Sandman é razão pela qual nós estamos vivos ,não pelo fato da HQ mas sim por gerar uma condição harmônica em nossas vidas,os perpétuos colocam isso como eixo principal,Sandman se trata mais do que uma simples graphic novel ,deixa fluir os pensamentos místicos que o ser humano tanto desejou presenciar ,mas nunca conseguiu.


SHARE
Engenharia mecatrônica e programação são uma das minhas possíveis e futuras profissões porém minha passividade é o cinema. Paulista nerd com 17 anos de idade. Back to the future