“Piratas do Caribe: A Vingança de Salazar” estreou faz alguns dias e como muitos já devem saber o quinto filme da franquia da Disney traz a conclusão de diversos elementos dos três primeiros filmes e até algumas coisas do quarto. Pensando nisso elaboramos um pequeno guia para você desfrutar da aventura de Jack Sparrow, Carina Smyth e Henry Turner.

 

Pérola Negra Aprisionado

Como havíamos visto em “Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas” (2011) o navio de Jack Sparrow está fora do alcance do anti-herói pois está aprisionado dentro de uma pequena garrafa e sem poder usá-lo para navegar, a sua vida de pirata trapaceiro se dificultará bastante visto que ele tinha um grande apreço pelo navio, além dele ser de ótima ajuda em vários momentos das aventuras, afinal o que deu início a jornada de Sparrow no primeiro filme era sua busca para recuperar seu navio.

 

Capitão Hector Barbossa da Marinha

Assim como em “Piratas do Caribe: Navegando em Águas Misteriosas” (2011), o rival e ex-vilão da franquia, Capitão Hector Barbossa agora está a serviço do Império Britânico, o que o coloca frente a frente com Jack Sparrow. É a partir daí que virá a ligação do Capitão Armando Salazar com ele, afinal Salazar no passado era um caçador de piratas que trabalhava para a Marinha Espanhola, uma parceria entre os dois deve ser formada para caçarem Jack Sparrow.

 

Elizabeth, Will e a Maldição do Holandês Voador

Elizabeth Swann e Will Turner estão de volta, o famoso casal da saga dos três primeiros filmes que eram vividos por Keira Knightley e Orlando Bloom tem sua história continuada nesse quinto filme. Como muitos devem recordar ao final de “Piratas do Caribe: No Fim do Mundo” (2007) a maldição de Davy Jones foi passada para Will Turner tornando ele o novo capitão do Holandês Voador com a obrigação de escoltar almas perdidas pelo mar e podendo só pisar em terra firme uma vez a cada 10 anos, agora ambos estão de volta em uma trama que pode talvez tirar para sempre a maldição de Will.

 

Romance, Fantasia, Comédia e Aventuras

“Piratas do Caribe: A Maldição do Pérola Negra” (2003) foi um grande sucesso não só pela atuação de Depp como também devido ao roteiro de Ted Elliott e Terry Russo e da direção de Gore Verbinski, uma equipe que tornou um filme de um brinquedo temático da Disney em uma comédia de aventura irreverente, temperada com romance e fantasia. Seus vários gêneros são bem equilibrados dando o tom estranho e adequado à produção, afinal ao longo das inúmeras reviravoltas o filme oscilava muito entre se levar ou não a sério, algo muito semelhante ao que James Gunn fez em “Guardiões da Galáxia” (2014) e ao que Joss Whedon fez no primeiro “Os Vingadores” (2012), um estilo de narrativa original e que parece ter retornado na nova aventura que bebe em suas fontes mais profundas, então se você é fã disso vale a pena dar uma conferida.

 

Personagens Femininas Fortes

É um trabalho árduo ser mulher em blockbusters, só há pouco tempo é que se tornou um costume ter personagens não tão rasas e que sejam relevantes e significativas para o enredo, felizmente temos muitas mais personagens assim hoje em dia como visto em “Jogos Vorazes” (2012), “Mad Max: Estrada da Fúria” (2015) e “Star Wars: O Despertar da Força” (2015). Entretanto não podemos nos esquecer da sonhadora, esperta, doce e habilidosa Elizabeth Swann que lá atrás em 2003 nos mostrou uma das melhores personagens do cinema, que mesmo com seu romance e sendo feita de refém você percebe como ela evolui e como possui uma certa independência e ao que parece o legado disso será passado para Carina Smyth, uma astrônoma séria, inteligente e que luta pelos seus direitos em uma universidade, em uma época que não é propícia para as mulheres.

 

Mitologia dos Mares Sombrios

Em Piratas do Caribe, o tom de fantasia sombria sempre esteve presente, talvez por causa das inúmeras lendas que existem sobre os piratas, ou talvez por esse ir além de um filme da Disney, afinal temos um diretor vindo do terror e roteiristas que vieram de Aladdin, seja qual for o motivo determinante durante as quatro aventuras anteriores, uma mitologia foi construída e desenvolvida lidando com piratas morto-vivos, feiticeiras, objetos místicos e até entidades como Calypso. Esse tem sido um dos grandes charmes da franquia e o novo filme retoma eles adicionando novos e insanos elementos como tubarões fantasmas, um vilão que parece estar sempre se afogando eternamente devido à sua maldição e uma busca pelo Tridente de Poseidon

SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.