Documentário revela bastidores da gravação de “Amazing Grace” de Aretha Franklin

Após 20 álbuns, cinco Grammys e 11 sucessos consecutivos, a rainha do soul Aretha Franklin decidiu voltar às origens com um disco gospel. Filha de pastor, a cantora na época com 30 anos se juntou ao reverendo James Cleveland e ao coro da Comunidade do Sul da Califórnia para gravar Amazing Grace, álbum ao vivo que deu nome ao documentário de Sydney Pollack e que vai ao ar na quarta (17), no Telecine Cult.

Aretha Franklin: Amazing Grace , que também está disponível no streaming da marca, traz as imagens das duas noites de gravação na Igreja Bastista Missionária New Temple, em Los Angeles, nos dias 13 e 14 de janeiro de 1972.

O álbum foi lançado em junho do mesmo ano e acabou se tornando o mais vendido da carreira da estrela norte-americana, que ainda ganhou um Grammy de Melhor Performance Soul Gospel, e o gospel mais vendido de todos os tempos. Mas problemas técnicos impediram que as imagens fossem divulgadas e só em 2018, 46 anos depois, o documentário ganhou sua versão final com produção de Alan Elliott.

A produção resume os dois dias de apresentação em 88 minutos, que resultaram em 27 músicas gravadas e contaram com C. L. Franklin, pai de Aretha, e os integrantes dos Rolling Stones: Mick Jagger e Charlie Watts, como espectadores.

Hub de cinema mais completo do país, o Telecine oferece os primeiros 30 dias de acesso ao aplicativo de filmes grátis para novos usuários.

SHARE
Otávio Renault
Nascido em São Joaquim da Barra interior de São Paulo, sou um escritor, cineasta, fotógrafo, desenhista e autor na Cine Mundo, além de um cinéfilo fã de Quentin Tarantino, J.J. Abrams, Neil Gaiman, viciado em séries e leitor de quadrinhos/mangás.